Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

• My Life As Myself •

The creator of this blog is currently trying to be a proper adult. Here, they try to figure out life through photography, writing, music and the occasional existential crisis. Enjoy.

• My Life As Myself •

The creator of this blog is currently trying to be a proper adult. Here, they try to figure out life through photography, writing, music and the occasional existential crisis. Enjoy.

9 + 9

Sou legalmente uma pessoa adulta e é estranho; ao mesmo tempo também é igual.

Não sei bem porquê, mas a caminho de uma espécie de celebração destes 18 anos passados, dei por mim a contemplar tudo o que me rodeia aqui nas ruas em que cresci; e chorei. Estava contente por poder ter tanta coisa fantástica por onde vaguear ao longo dos anos mas também triste por me aperceber que tudo iria acabar tão brevemente. E não sei se vou deixar esta terra assim tão cedo, nem se a vou deixar de todo... Mas na verdade, bem lá no fundo da minha mente, tudo aponta para a existência de um novo lugar a que poderei chamar casa. Isso deixa-me com saudades prematuras, com uma nostalgia do presente. Não acredito no destino ou num ser divino que nos comanda a todos, mas enquanto ia escrevendo, a World Wide Web decidiu mostrar-me um anúncio de uma companhia aérea. Façam disso o que entenderem, mas que é peculiar é.

E pronto, sou agora crescida e responsável ou algo do género. Tenho de tomar decisões e tudo se tornou mais importante. Posso assinar coisas e usar rúbricas ilegíveis. Mas ainda sou nova e faço coisas estúpidas e brilhantes. Tudo parece tão relevante e uma semana depois já está esquecido. Ou ainda mais nítido.

O que eu quero dizer é que dois meses antes do meu aniversário não conseguia esperar pelo passar dos dias, e horas antes do mesmo já nem me lembrava que ia acontecer. Esqueço-me constantemente dos factos e às vezes tenho de me forçar a perceber esta realidade em voz alta, mas simplesmente não dá, não consigo mesmo encaixá-la com o resto das minhas vivências e acho que não faz mal. Penso que não há ninguém que livremente se enquadre naquela estereotipada definição de adulto/a; estamos todos a tentar fazer o nosso melhor e isso é aceitável.

 

Sempre é melhor fazer boas amizades e ser eu mesma até me aborrecer da vida e arranjar uma melhor.

 

 

 

 

Love & Small Gigs,

TheBassGirl-182

1 comment

comment