Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

• My Life As Myself •

The creator of this blog is currently trying to be a proper adult. Here, they try to figure out life through photography, writing, music and the occasional existential crisis. Enjoy.

• My Life As Myself •

The creator of this blog is currently trying to be a proper adult. Here, they try to figure out life through photography, writing, music and the occasional existential crisis. Enjoy.

Elementariedade do Peculiar

Sempre fui uma criança estranha. Mas quem não o foi? Talvez aqueles que parecem não me compreender, apreender, conhecer.

Cresci a meio caminho da cidade e do campo, de cá para lá, volta e meia e troca o passo.

Olhava o mundo com tamanha curiosidade naqueles longos passeios pelo quintal da minha tia. Cada flor, cada erva ou pequeno inseto merecia a minha tentativa de o descodificar.

Sempre gostei de fixar a Lua, e as estrelas a cintilar. Pareciam-me obras de seres extraterrestres, algum tipo de vida inteligente que decidiu criar uma obra de tamanha beleza só para obter a atenção de uma criança trapalhona.

Parti a cabeça duas vezes, em tamanho frenesim. À segunda já tinha capacidade suficiente para também investigar esta. O pequeno fio de sangue vermelho vivo que me escorria da testa, passando pela cana do meu nariz ainda de 2-3 anos, aquele que se refletia no espelho por detrás dos lavatórios no cabeleireiro da minha mãe; aquele de onde os meus olhos não se podiam mover, tal era o interesse por este desconhecido fenómeno.

Talvez tenha sido esta a altura em que parte dos meus neurónios foi danificada, pois as memórias ficam muito vagas e disformes, ainda que me consiga lembrar de umas tantas que causariam tristeza a uma versão mais velha de mim própria.

A aversão não ao mundo, mas ao que ele continha. As pessoas rudes que preferiam levar os outros à sua bolha de solidão do que a tentarem resolver os seus próprios enigmas.

Não eram assim sós as minhas cicatrizes no topo da minha testa e sobrolho, tantas outras debatiam-se dentro de mim tentando corromper o meu espírito. Mas mesmo suprimido e um tanto corrompido, ele aqui ficava, aqui chorava, esperava.

E foi depois de seguir contra a escuridão que pude encontrar um rastilho de luz, aquele restinho de unicidade que se balançava por entre todas as ansiedades que a vida me presenteou.

E é assim que continuo a batalhar hoje. Não parece que o seja, ou que mereça tal honrosa designação. Mas é assim que se sente esta alma inacabada que procura tomar voo de entre as cinzas espalhadas no fundo do abismo.

E eu ainda procuro a razão de ser do mundo, e eu ainda respeito cada ser pulsante, e eu ainda me pergunto se o céu me quer dar asas.

 

 

 

 Love & That One Phenix,

 TheBassGirl-182

1 comment

comment